;

Especiais

Política| Bolsonaro diz que PSL enfrentará máquina do Governo em MT


Com informações do RDNews

O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) avalia que o PSL em Mato Grosso, que apresenta as pré-candidaturas do ex-prefeito de Sorriso Dilceu Rossato a governador e da juíza aposentada Selma Arruda ao Senado, precisará enfrentar a máquina pública para vencer as eleições. Afirma ainda que a sigla conservadora e de direita enfrentará dificuldades por não dispor de recursos do Fundo partidário como os possíveis adversários.

“Sabemos que contra nós tem uma máquina muito grande de quem está no governo, de partidos maiores que têm grande quantidade de fundo partidário e nós não temos. É uma luta desigual”, declarou Bolsonaro em entrevista à Rádio Capital FM, na  quarta (25).

Bolsonaro destaca a necessidade de eleger bons nomes para o Senado e Câmara Federal. Além de Selma, ele cita como exemplos do PSL o deputado federal Victório Galli e o produtor rural de Alto Taquari Nelson Barbudo.

“Temos bons nomes para deputado federal. Temos o Victório Galli e o Nelson Barbudo, entre outros nomes. Temos que jogar com o que nós temos. Peço que população escolha bem, não interessa o partido, exceto partidos de esquerda que só trazem a desgraça para o país, o descaso e a corrupção”, completou.

Bolsonaro se recusou a apresentar propostas justificando que ainda não é candidato e pode estar ferindo a legislação eleitoral. No entanto, lembrou que Mato Grosso é voltado ao agronegócio e discorreu sobre o setor.

“Vocês que estão nesse Estado muito voltado para o agronegócio, voltado para a agricultura, o que vocês precisam é de um governo que não atrapalhe quem queira produzir”, pontuou defendendo anistia das dívidas do Funrural e a não tributação das exportações de commodities, além da desburocratização e desregulamentação da economia.

Fronteira seca

Sobre os mais de 700 quilômetros de fronteira seca em Mato Grosso, que servem de entrada para armamentos ilegais e drogas ilícitas no país, Bolsonaro defende mudanças na legislação para garantir “retaguarda jurídica” aos integrantes da forças de segurança pública. O presidenciável defende ainda penas mais duras aos criminosos.

“Se ao término de uma missão, ele (o agente de segurança pública) for condecorado ao invés de processado, você começa a sentir que a violência vai diminuir. A entrada de armamento, munição e drogas vai diminuir e nós podemos ter menos violência no nosso Brasil”, concluiu.