;

Especiais

Geral| Sistema de integração lavoura-pecuária ocupa 1,9 milhão de hectares em MT

Com informações do G1

Produtores rurais de Mato Grosso estão investindo no sistema de integração lavoura-pecuária para aumentar a renda. A forragem da plantação fornece alimento adequado na entressafra ao rebanho e, depois da colheita do milho, a palha ajuda a proteger o solo contra erosão.

Adepta ao sistema, uma fazenda localizada em Campo Verde, a 139 km de Cuiabá, tem aproximadamente três mil bois na engorda.

"Nós entramos com a plantação de milheto para podermos fazer a Integração Lavoura-Pecuária, e deu certo", disse o pecuarista Valtair Vesz.

A produtividade de milho e soja esperada para essa safra é de 60 sacas por hectare, sendo que a fertilidade do solo também é beneficiada pelo cultivo múltiplo.

O ataque de pragas diminui e é necessário menos aplicação de agrotóxicos. Com isso, o gasto com herbicidas é menor.

O estado tem a segunda maior produção integrada no novo sistema de lavoura- pecuária do país. De acordo com o Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária (Imea), o sistema é aplicado em mais de 1,9 milhões de hectares.

Além das áreas utilizadas para a agricultura, existem cerca de 24 milhões de hectares para pastagens, sendo 14 milhões com potencial para produzir grãos, segundo o analista de custos do Imea, Miqueias Michetti.

"É um sistema de produção que tem dado certo, os pecuaristas entenderam esta filosofia e tem buscado cada vez mais essa integração", contou.

De acordo com o consultor, na pecuária tradicional é de R$ 215 por hectare. Na produção de soja e milho, o valor é de R$ 1,2 mil. Com o sistema integrado, com a soja e a engorda dos animais, a rentabilidade média pode atingir R$ 2,3 mil.