;

Especiais

Saúde| Gripe já matou 839 pessoas este ano no Brasil, diz Ministério da Saúde

Com informações do Notícias ao Minuto
Neste ano, foram notificados no Brasil 4,6 mil casos de infecções pelo vírus influenza, sendo a maioria (60%) provocada pelo subtipo H1N1, cerca de 2.813. Dessas pessoas, 839 morreram em decorrência da gripe, de acordo com números do Ministério da Saúde, contabilizados até o dia 16 de julho.
O H1N1 é o vírus que mais circula no território nacional e, por isso, também é responsável pela maior parte das mortes (67,5%), um total de 567. Ainda segundo o ministério, também foram registrados 335 casos e 46 mortes por influenza B, e 541 casos e 86 óbitos pelo influenza A. O maior número de ocorrências foi constatado em São Paulo (1.702), Ceará (376), Paraná (432) e Goiás (378).
Vacinação
Com a vacinação de 51,4 milhões de pessoas contra a gripe, durante campanha realizada desde maio, a pasta alcançou a meta de imunizar 90% do público-alvo contra o vírus. O grupo abrange idosos acima de 60 anos, gestantes e crianças de seis meses a cinco anos.
O órgão ainda vem fazendo alertas frequentes para ampliar o número de imunizados, já que, até a última quarta-feira (11), 6 milhões de pessoas no grupo prioritário ainda não tinham se protegido contra o vírus. Especialistas da área têm se mostrado preocupados com a queda da cobertura de vacinação em todo o País, fator que ameaça não só quem deixa de se imunizar, mas todos os que estão próximos.
No entanto, de acordo com o ministério, mesmo com o alcance da meta, a cobertura não atingiu os índices satisfatórios entre as grávidas e as crianças. Pelos dados divulgados nesta quarta (18), haviam sido imunizados 77,8% e 76,5% desses públicos, respectivamente.
Por isso, as gestantes e os responsáveis pelos menores de cinco anos devem procurar os postos de saúde para atualizar o cartão de vacina. Ainda há 8 milhões de doses disponíveis. Nas cidades onde há estoque, a imunização foi ampliada para as crianças entre cinco e nove anos e os adultos de 50 a 59 anos.
A dose é segura e previne que, em caso de infecção, o paciente desenvolva quadros graves da doença, que pode levar à morte. A vacina distribuída na rede pública protege contra três cepas do vírus da gripe, que foram indicadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS).