;

Especiais

Política| Comigo vocês podem errar, com os outros já erraram, diz Bolsonaro

O pré-candidato Jair Bolsonaro (PSL-RJ) rebateu a crítica de que estaria despreparado para a Presidência da República e disse que está na disputa "com o espírito desarmado".
"Comigo vocês podem errar, [mas] com os outros, tenho certeza, já erraram", afirmou ele nesta segunda-feira (18) ao defender sua candidatura como um projeto diferente.
A declaração foi aplaudida por parte da plateia no evento onde o presidenciável falava, o fórum da União da Indústria de Cana-de-Açúcar, realizado em um centro de convenções na zona sul de São Paulo.
Bolsonaro também rebateu a aparente contradição entre seu passado estatizante e a nova imagem liberal, que ele apresenta na campanha como linha-mestra de seu programa econômico.
"O ser humano evolui. O senhor não está se referindo, com todo respeito, a um troglodita", disse em resposta ao economista Ricardo Sennes, um dos entrevistadores, que o questionou sobre a incoerência.
Em diferentes momentos, Bolsonaro lembrou à plateia, formada por representantes do agronegócio e do mercado, que está seguindo os conselhos de Paulo Guedes, seu guru para propostas econômicas.
O deputado também falou de propostas como a flexibilização do Estatuto do Desarmamento e a liberação de porte de arma para proprietários rurais. "A arma defende a liberdade de uma nação", disse, sob palmas de um grupo no auditório.
Aplausos se repetiram quando ele afirmou que o produtor rural hoje é tratado como bandido. O presidenciável disse que um eventual governo seu seria de desregulamentação, para diminuir a interferência do Estado na vida dos cidadãos e das empresas.
Além de Bolsonaro, presidenciáveis como Ciro Gomes (PDT), João Amoêdo (Novo), Henrique Meirelles (MDB), Paulo Rabello (PSC) e Marina Silva (Rede) fizeram palestras no encontro.
Geraldo Alckmin (PSDB) e Aldo Rebello (SD) também confirmou presença.
Bolsonaro foi o que mais despertou reações da plateia. Foi aplaudido em vários momentos e provocou risos ao criticar o que chama de onda do politicamente correto.
"Pelo politicamente correto, nós perdemos a capacidade de brincar. Eu exagero de vez em quando nas brincadeiras, por isso sou réu no STF", disse.
Em abril, o parlamentar foi denunciado pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, ao Supremo Tribunal Federal sob acusação de crime de racismo.
Na saída, Bolsonaro respondeu a perguntas de jornalistas e atendeu a pedidos de fotos de participantes do seminário. Com informações da Folhapress.