;

Especiais

Foco e Fé| Fome e sede de justiça

O desejo por alimento e por água está entre os mais fortes e constituem as necessidades mais básicas dos seres humanos. Há uma variedade de necessidades que governam a vida: água, alimento, sexo, poder e amor são algumas delas. No entanto, quando elas são satisfeitas de maneira errada, temos problemas.

A fome e a sede de que Jesus fala não é aquilo que a mídia explora como causas da miséria humana. Também não é o desejo de que, num mundo em que se veem tantas injustiças, se faça justiça e que cada um seja recompensado ou castigado conforme merece. Não é apenas o desejo de fazer o bem, o sonho de ser uma pessoa piedosa ou idealista.

A fome e sede de justiça das quais Jesus fala podem ser sentidas de diversas maneiras. Quando tenho o desejo de entender melhor certas verdades da Bíblia; quando consigo enxergar verdades conhecidas sob novo prisma; e quando tenho desejo cada vez mais crescente de ser semelhante a Jesus.

Às vezes, no anseio de fazer o que é certo, queremos conseguir essa justiça partindo do exterior para o interior. Então, pensamos em adorar no lugar certo, seguir a liturgia certa, vestir a roupa certa e, então, acreditamos, estaremos em condições de receber a justiça. Ou se lermos a Bíblia pela manhã, não faltarmos às reuniões da igreja, controlarmos nosso temperamento, dominarmos nossas paixões e orarmos pelo menos uma hora por dia, a justiça nos será concedida. A única maneira pela qual podemos conseguir a justiça é recebendo-a. “Não é por meio de penosas lutas ou fatigante lida, nem de dádivas ou sacrifícios que alcançamos a justiça; ela é, porém, gratuitamente dada a toda pessoa que dela tem fome e sede” (Ellen G. White, O Maior Discurso de Cristo, p. 18).

Existe rico suprimento de justiça que Deus tem para nós. Somente a receberão aqueles que desejam a justiça da mesma forma que um homem faminto deseja o pão, ou como o sedento que está desmaiando por água.

“Deus Se alegra em conceder graça a todos os que dela têm fome e sede, não por sermos dignos, mas porque somos indignos. Nossa necessidade é o qualificativo que nos dá certeza de que havemos de receber o dom” (Ellen G. White, Testemunhos para Ministros, p. 519).


“Venham todos vocês que estão com sede, venham às águas; e vocês que não possuem dinheiro algum, venham, comprem e comam! Venham, comprem vinho e leite sem dinheiro e sem custo” (Is 55:1).


Novo Tempo / Tempo de Refletir