sábado, 2 de setembro de 2017

Policial| Aumentam boletins de ocorrência motivados por homofobia em Mato Grosso

Com informações do Agora MT

O número de boletins de ocorrência em Mato Grosso motivados por homofobia aumentou cinco vezes nos últimos seis anos. Em 2011 foram 17 registros e em 2017 (de janeiro a agosto) já são 89. Os dados são do Grupo Estadual de Combate aos Crimes de Homofobia (GECCH), que faz parte da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT).

Em 2012 foram registrados 24 boletins, no ano de 2013 o número subiu para 45, já em 2014 caiu para 27, em 2015 subiu para 60 e em 2016 o número chegou a 67. De janeiro a agosto deste ano foram 89 ocorrências motivadas por homofobia. Nesses seis anos os registros chegam ao total de 329.

Segundo o secretário do GECCH, major PM Ricardo Bueno, o aumento no número pode estar relacionado a vários motivos, como o maior acesso acesso a informação dos direitos garantidos aos LGBTs (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais).

De acordo com o levantamento realizado pela equipe do GECCH, o Acre é o estado com maior número de mortes relativas a homofobia, com uma morte para cada 270 mil habitantes. Em segundo fica Alagoas, com um homicídio para cada 279 mil e Mato Grosso ocupa a terceira posição, com 1 assassinato para cada 367 mil moradores.

Ações do GECCH

Em Mato Grosso, desde 2009 os boletins de ocorrências registrados contam com a motivação de homofobia. Em 2010 foi incluído o campo para nome social de travestis e transexuais e em 2016 passou a ter a orientação sexual. “Com essa formatação do boletim de ocorrência, Mato Grosso se tornou referência nacional. O objetivo é garantir o respeito e a dignidade às vítimas LGBTs”, ressalta Bueno.

Uma das razões para essa formatação é o fato de que com isso é possível ter um indicador da quantidade de vítimas LGBTs que registram ocorrências no Estado. Assim o Grupo Estadual de Combate a Crimes de Homofobia pode atuar de forma integrada e sistêmica, materializando os índices de criminalidade referentes à população de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais.


A unidade representa a ação do Estado na prevenção e combate a homofobia e na recuperação da confiança da população homossexual nos órgãos de segurança pública, por meio da humanização do serviço policial, com a capacitação e formação educacional contínuas. “A ideia é sensibilizar, cada vez mais, os servidores para prestar o melhor atendimento a todos os cidadãos que buscam a Segurança Pública de Mato Grosso”, completa o major PM Bueno.


Reações:
Postar um comentário